Métodos de proteção anticorrosiva para o setor elétrico: um dos destaque do Cepel no XXV SNPTEE

O Centro é a instituição que mais apresenta trabalhos específicos sobre corrosão no setor elétrico no XXV SNPTEE

Cepel apresenta importantes avanços no modelo computacional NEWAVE durante XXV SNPTEE

Entre as novidades do modelo estão a representação de restrições de gases de efeito estufa e a integração dessas restrições com estudos de expansão

Novos desenvolvimentos relacionados ao SAGE são apresentados pelo Cepel no XXV SNPTEE

O SAGE e o programa computacional PacDyn vão se integrar com o objetivo de monitorar oscilações naturais do Sistema interligado Nacional

Notícias

• mais noticias


Artigos

  • 04/10 - Inova, Cepel

    O diretor-geral do Cepel, Amilcar Guerreiro, discorre sobre as transformações que estão ocorrendo no setor elétrico e a decorrente necessidade da inovação. Guerreiro ressalta o papel das instituições de pesquisa e afirma que o Cepel constituiu um diferencial para o Brasil. Não obstante, destaca a necessidade de o Centro também passar por um processo de inovação para assegurar sua sustentabilidade técnica e econômico-financeira.

  • 20/07 - Sobre as razões para ter ou não ter o preço horário

    O artigo considera a inquestionável necessidade da adoção do preço horário da energia, no início de 2020, para acompanhar a evolução do sistema elétrico brasileiro. Neste contexto, argumenta-se que o modelo matemático DESSEM, desenvolvido pelo Cepel e peça-chave neste processo, foi implementado, ajustado e validado seguindo rígidos critérios estabelecidos pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) e pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), e que, portanto, mesmo passível de aperfeiçoamentos, como todo modelo, não pode ser responsabilizado pelo adiamento da entrada do preço horário.

  • 25/05 - O Cepel e a Modernização do Setor Elétrico

    Neste artigo, o diretor-geral do Cepel, Amilcar Guerreiro, fala sobre a necessidade de o setor elétrico preparar-se para o processo de transição energética, que gira em torno, primordialmente, de um novo perfil de consumidor. Segundo o autor, todo este movimento de modernização resulta e dependerá de avanços e investimentos em P&D+I, área-fim das atividades do Cepel. Neste contexto, Guerreiro ressalta que o Cepel pode oferecer contribuição singular ao processo de modernização, tanto pelo grau de especialidade de seu quadro técnico, quanto pelas soluções tecnológicas que desenvolve e por sua infraestrutura laboratorial multidisciplinar

• mais artigos


Videos