• VOLTAR
  • IMPRIMIR
  • ENVIAR
  • A+ A-
Cepel marcou presença em mais uma edição do STPC

Notícias

Cepel marcou presença em mais uma edição do STPC

24-11-2018

Promovido a cada dois anos pelo Comitê de Estudos B5 (Proteção e Automação) do Cigré Brasil, esta edição do Seminário Técnico de Proteção e Controle (STPC) foi organizada por Itaipu Binacional, reunindo mais de 360 participantes, entre os dias 29 de outubro e 1º de novembro, em Foz do Iguaçu (PR). O diretor-geral do Cepel, Marcio Szechtman, representou o Centro na abertura do evento, e o diretor de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (P&D+I), Raul Balbi Sollero, no encerramento, quando foi homenageado.

 


Sollero recebeu uma placa alusiva a suas contribuições na área de proteção e controle, assim como nos trabalhos desenvolvidos através do Cigré, em particular na realização de edições anteriores do STPC, do qual já foi coordenador geral. “Recebi essa homenagem com satisfação, é claro, mas ciente de que ela diz muito da generosidade e competência de tantos colegas com os quais tive a oportunidade de trabalhar, tanto em minha vida profissional, no Cepel, quanto em atividades voluntárias de produção e difusão de conhecimentos no setor de Engenharia Elétrica, no Cigré”, afirma o diretor de P&D+I do Cepel.

 


O Centro também marcou presença no evento com a apresentação do artigo "Desenvolvimento de uma PMU de referência: resultados de laboratório", de autoria do pesquisador do Departamento de Tecnologia de Distribuição (DTD) José Eduardo Alves, e com as explanações sobre o projeto SINAPE (Sistema Integrado de Apoio à Análise de Perturbações), realizadas no stand da Eletrobras pelo analista de projetos Douglas Canto, da PUC-Rio.

 


O pesquisador do Departamento de Automação de Sistemas (DAS) Marco Antonio Macciola Rodrigues, coordenador técnico do evento e também coordenador do CE B5, ressalta que as apresentações do SINAPE “atraíram muitos interessados e permitiram mostrar aos participantes da comunidade de proteção e controle as várias facilidades disponíveis para análise e gestão de arquivos de oscilografia de eventos registrados no sistema elétrico de potência”.

 


O evento teve cinco sessões plenárias, quatro sessões-pôster e uma Sessão Técnica Especial sobre o tema "Synchrophasor Applications in Protection and Control", que contou com apresentação de especialistas brasileiros e internacionais. “No evento, pode-se constatar a importância dessa área, assim como os novos desafios que se apresentam juntamente com a evolução tecnológica”, comenta Marco Antonio.

 


Também participaram do evento os pesquisadores do Cepel André Luiz Lins Miranda e Walter Martin Cuenca, ambos do DAS.

 


Constatações

 


Perguntado sobre as principais constatações técnicas desta edição do STPC, Marco Antonio fez um breve resumo para o Cepel Notícias. Ficou claro que a adoção da norma IEC 61850 tem sido a melhor estratégia para a modernização dos sistemas de proteção e controle.

 

 

Ele acrescenta que, considerando a plena digitalização das subestações, a segurança cibernética local passa a ser uma questão bastante relevante, requerendo uma diretriz específica por parte de cada empresa. “Nas subestações totalmente digitalizadas, com aplicação plena da norma IEC61850, barramento de processos, Merging Units e instrumentos não convencionais, é importantíssimo utilizar ferramentas de gestão para o monitoramento global da subestação (documentação, software, rede, equipamentos), de forma a garantir a confiabilidade e eficiência dos sistemas de proteção e controle”, complementa o pesquisador.

 


Outro aspecto assinalado é que a sincronização de tempo passa a ter um papel fundamental no bom funcionamento de uma solução full digital. Neste contexto, estratégias de proteção diferencial no domínio do tempo aplicada a linhas de transmissão com compensação série, baseada nos algoritmos diferenciais de energia (87E) e de potência reativa (87Q), podem ser capazes de identificar rapidamente todos os tipos de defeitos, inclusive com alta impedância.

 


Constatou-se, também, que os simuladores digitais em tempo real para testes de funções de oscilação de potência se mostram ferramentas de extrema importância para validação dos ajustes e melhor entendimento dos algoritmos utilizados pelos relés, complementando os estudos dinâmicos do sistema.

 


Em relação à medição sincrofasorial, a experiência do uso de PMUs já permite segurança e maturidade na análise do comportamento do desempenho destes medidores, tanto em regime permanente quanto em regime dinâmico, mas foi sinalizada a necessidade de testar as PMUs em operação. Para tanto, foi proposta a utilização de uma solução baseada em uma PMU de referência, ou seja, um equipamento capaz de pré-diagnosticar possíveis problemas. Uma constatação interessante é de que, graças a uma infraestrutura de comunicação mais confiável, ações de controle utilizando dados sincrofasoriais (WAMPACS) começam a se tornar viáveis.