• VOLTAR
  • IMPRIMIR
  • ENVIAR
  • A+ A-
Parceria entre Cepel e CEEAC segue com mais atividades

Notícias

Parceria entre Cepel e CEEAC segue com mais atividades

31-03-2017

Depois de engenheiros do Centro de Excelência em Energia do Acre (CEEAC) fazerem visita técnica às instalações de Fundão e Adrianópolis, no fim de janeiro, foi a vez de o Cepel enviar pesquisador até o Acre para iniciar a agenda de cursos 2017 – parte do conjunto de ações da Eletrobras para a implantação do CEEAC.

 

Entre 7 e 9 de março, Luciano de Oliveira Daniel, do Departamento de Redes Elétricas, ministrou treinamento sobre o programa ANATEM (Análise de Transitórios Eletromecânicos) para o corpo técnico do CEEAC. O curso foi realizado na sede da instituição, localizada no campus da Universidade Federal do Acre (UFAC), em Rio Branco.

 

Segundo Luciano Daniel, o treinamento representa uma parte fundamental do Ciclo de Cursos que está sendo ministrado pelo Cepel no CEEAC, “pois as simulações e análises que envolvem a estabilidade eletromecânica de sistemas de potência englobam áreas importantes da Engenharia Elétrica, como Máquinas Elétricas, Sistemas de Controle, Proteção de Equipamentos, Eletrônica de Potência, Energia Eólica e Cálculo Numérico”. “Em minha percepção, os alunos tiveram um bom aproveitamento e participação durante o curso”, avalia o pesquisador.

 

LEIA TAMBÉM

   

Engenheiros do Centro de Excelência em Energia do Acre realizam visita técnica ao Cepel

 
Cepel dá início à agenda de cursos 2017 para corpo técnico do CEEAC

 

Luciano Daniel opinou ainda sobre o envolvimento de outras instituições nos esforços pela implantação do CEEAC. “A parceria do CEEAC com a UFAC também me parece bastante positiva. Vários alunos desta universidade participaram do curso e puderam complementar seus conhecimentos acadêmicos. Alguns profissionais da Eletronorte e da Eletroacre também avaliaram positivamente o treinamento”. Por fim, o instrutor do módulo destacou o apoio do engenheiro Antônio Vieira, responsável pelo projeto na Eletrobras, que classificou como “constante, eficiente e primordial para o bom andamento do curso".


Na avaliação do engenheiro Ícaro Amaral, que esteve nas instalações do Cepel em janeiro e participou do curso sobre o ANATEM, “o Centro tem sido de grande importância na implantação do CEEAC. Graças à parceria entre UFAC, CEEAC e Cepel, foi possível elaborar um programa de capacitação a ser ministrado pelos pesquisadores do Cepel na cidade de Rio Branco”.

 

Dentre os temas abordados no curso, Amaral destacou a possibilidade de simular a aplicação de eventos (perturbações) no sistema. “Pude observar como o Operador Nacional do Sistema Elétrico lida com a estabilidade do sistema elétrico de potência do Brasil. Comparado a países da Europa, por exemplo, nosso país é muito maior; é complicado manter o sistema de potência com uma boa estabilidade. Uma falha grave pode desligar as linhas, e, assim, prejudicar financeiramente o Brasil [...] Com os resultados obtidos a partir de simulações é possível projetar esquemas de proteção de sistema para preservar a estabilidade do sistema interligado após a ocorrência de grandes perturbações”.

 

Além da relevância direta para a implantação do CEEAC, o engenheiro ressaltou a importância do ANATEM para a realidade do setor elétrico na região Norte. “Para manter a matriz energética limpa e atender à economia brasileira, a expansão daqui para frente da capacidade de geração hidrelétrica será sobretudo localizada na Amazônia. Um exemplo disso são as UHEs Santo Antônio e Jirau, usinas construídas no Rio Madeira e que têm o escoamento da energia elétrica pelos dois bipolos de corrente contínua (600 kV) entre Porto Velho, Rondônia, e Araraquara, São Paulo”. Ferramentas computacionais como o ANATEM são imprescindíveis para que se estudem quais as melhores formas de expandir o sistema de potência na Região Amazônica sem comprometer sua estabilidade”.

 

Já Rafael Pereira Nishihira, engenheiro da Eletronorte (Divisão de Transmissão do Acre), que também participou do curso sobre o ANATEM, afirmou ver grande importância no módulo por ser uma oportunidade que profissionais da região geralmente não têm. “A parceria entre Cepel e CEEAC nos é de grande valia por propiciar conhecimentos essenciais, que, do contrário, não poderíamos obter por estarmos muito distantes dos grandes centros. Este deslocamento significaria altos custos”. Nishihira destacou, dentre esses conhecimentos, o maior entendimento sobre como é feita a análise das interações eletromecânicas no Sistema Interligado Nacional – SIN.

 

“O curso, continua Nishihira, também se mostra muito importante por abrir um ‘leque’ de possibilidades aos profissionais que aqui se formam, de maneira que eles possam optar por realizar concursos em outras regiões do país sem que se sintam muito aquém das exigências do mercado”.

 

Os cursos de capacitação ministrados pelo Cepel à equipe do CEEAC foram iniciados em 2016, com módulos sobre o Sistema Aberto de Gerenciamento de Energia (Sage) e o programa computacional Anarede (Análise de Redes Elétricas). Ao longo de 2017, o Cepel prevê a realização de mais oito cursos aos engenheiros e técnicos do novo centro.