O diretor-geral do Cepel, Amilcar Guerreiro, foi um dos convidados do Painel de Abertura do 130 Fórum Latino-Americano de Smart Grid, na manhã de ontem (29), no Centro de Convenções Frei Caneca, na capital paulista. Ao discorrer sobre o papel do conhecimento e da produção tecnológica em prol do bem-estar, da qualidade de vida e da segurança da Sociedade 5.0, para a qual o mundo caminha, Guerreiro ressaltou que urge estimular a definição de políticas de inovação e os investimentos em P&D. Bem como entender a importância de instituições de ciência e tecnologia, como o Cepel, na dinâmica de evolução tecnológica que se configura, acelerada pela pandemia, e na garantia de acesso às inovações.

“O avanço tecnológico se torna um importante aliado para resolver problemas e desafios como o envelhecimento da população com qualidade, a segurança das comunidades, incluindo a cyber segurança, a superação dos efeitos dos desastres naturais, a redução da desigualdade social e, por que não dizer, as limitações no uso e na disponibilidade da energia elétrica […] O desafio é colocar as pessoas efetivamente no centro desse processo e usar a tecnologia para o bem delas. Só assim conseguiremos tornar o mundo mais sustentável e mais diversificado”, considerou o diretor do Cepel.

De acordo com Guerreiro, a ideia é que tecnologias como big data, inteligência artificial e internet das coisas, já aplicadas em larga escala, sejam usadas para criar soluções que satisfaçam as necessidades humanas. Neste contexto, é clara a necessidade de se dispor de um sistema de energia com os atributos de disponibilidade e qualidade, no qual as smart grids desempenham papel fundamental.

“Cidades inteligentes, só possíveis com o desenvolvimento de smart grids, estão entre os principais elementos da Sociedade 5.0. Cidades inteligentes incorporam tecnologias e outras soluções de TI nos espaços públicos para melhorar a vida das pessoas. Num futuro não tão distante, será possível gerenciar os espaços públicos de forma automatizada, prevendo-se, por exemplo, vazamentos de água, aprimorando a mobilidade urbana, com a difusão de car sharing e outras inovações, e aumentando a segurança”, afirmou o diretor.

O Laboratório de Smart Grids do Cepel

Em aderência a este cenário de transformação com foco no futuro e na direção da Sociedade 5.0, não tão distante, Guerreiro assinalou que o Cepel inaugura, no próximo dia 03 de dezembro, seu Laboratório de Smart Grids. Instalado na Unidade Adrianópolis do Centro (Nova Iguaçu/RJ), onde se encontram os mais relevantes laboratórios de alta tensão e alta potência do país, a nova infraestrutura é voltada a pesquisas, ensaios e serviços tecnológicos na área de smart grids e qualidade do fornecimento de energia, sendo capaz de contribuir para a evolução tecnológica no uso e na geração de energia no segmento de distribuição, transmissão e comercialização.

“Trata-se do primeiro laboratório de smart grids da América Latina com capacidade e versatilidade para pesquisa e ensaios que envolvam potência e representação de componentes de um sistema real. É, sem dúvida, uma instalação aderente ao atual momento de transição energética, em que os sistemas distribuídos, de geração, armazenamento e gerenciamento do consumo de energia tendem a ganhar espaço”, destacou o diretor, acrescentando que a implantação do laboratório, cujo investimento foi da ordem de R$ 20 milhões, contou com recursos do Ministério de Minas Energia (Projeto META – Banco Mundial), da Petrobras (recursos de P&D), como associado do Cepel, e da Eletrobras.

Sob moderação do presidente do Fórum, Cyro Vicente Boccuzzi, o painel de abertura também contou com a participação do diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), André Pepitone, do diretor de Estudos de Energia Elétrica da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Erik Rego; e do presidente do Conselho e superintendente da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), Rui Altieri.

Aberto pelo ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, o Fórum segue até hoje, 30 de novembro, com diversos painéis de interesse da comunidade técnico-científica e da sociedade em geral. O Cepel é um dos apoiadores do evento.