EnglishPortuguese
ico-desce.png

DECOMP: Modelo de Planejamento de Curto Prazo da Operação de Sistemas Hidrotérmicos Interligados 

Ferramenta oficial do setor elétrico brasileiro utilizada no auxílio ao despacho energético e formação de preços

Sistemas com alta capacidade de geração hidrelétrica utilizam a energia armazenada nos reservatórios para gerar eletricidade com baixos custos e alta confiabilidade. Mas a disponibilidade de energia hidroelétrica é limitada pelas capacidades de armazenamento dos reservatórios e pelas vazões afluentes, as quais têm comportamento estocástico. Devido ao porte e à complexidade do problema, que se torna maior com o maior grau de penetração das fontes intermitentes – como as usinas eólicas e solares -, a solução para a operação ótima do sistema é obtida em etapas, por meio de modelos de médio prazo (até 5 anos), curto prazo (até 12 meses, com discretização mensal e semanal) e programação diária.

O DECOMP é um modelo computacional de otimização, voltado ao planejamento da operação energética de curto prazo de sistemas hidrotermo-eólicos. Ele é capaz de realizar um refinamento da política operativa construída pelo modelo de médio prazo (NEWAVE), considerando aspectos mais detalhados das usinas hidrelétricas, termelétricas e do sistema de transmissão. A consideração da incerteza nas afluências e a aversão ao risco garantem um despacho robusto e, como consequência, a obtenção da política operativa mais adequada para a programação diária da operação do sistema. 

 

Despacho econômico e comercialização de energia no mercado de curto prazo

O modelo DECOMP é utilizado oficialmente no setor elétrico brasileiro tanto pelo Operador Nacional do Sistema (ONS) quanto pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), na definição da Programação Mensal da Operação e na definição do Preço de Liquidação de Diferenças (PLD) que gerem o despacho e a comercialização de curto prazo de energia no país. Sua utilização também está presente em estudos para prospecção de preços no mercado de curto prazo e na avaliação da garantia de suprimentos até dois anos à frente, mediante cenários críticos.

Figura 1. Volumes de espera associados a diferentes tempos de retornos (risco de cheias)

Aderência à realidade do despacho de curto prazo

O modelo DECOMP considera intervalos semanais e mensais para o despacho e afluências estocásticas. O detalhamento individualizado das usinas hidroelétricas – tanto na representação do consumo e defluência de água em sua cascata, quanto na modelagem da geração através de função não linear de alta acurácia que considera a variação da produtividade com a altura de queda líquida –  garante aderência à realidade do despacho de curto prazo. O modelo também considera intercâmbios de energia entre submercados e restrições elétricas internas a estes mercados, representando a demanda em patamares de diferentes durações.

E-mail institucional  

decomp@cepel.br  

Faça sua pesquisa

Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Filter by Categories
Sem categoria
Skip to content